terça-feira, 21 de novembro de 2017

lidando com gente que some

A  pior sensação para o Homem é de ter que dar explicação por que não vai rolar depois de um encontro, de uma janta e ou uma transa. Quando ainda não envolve a cama, ainda é possível não entrar nessa seara, é o melhor e isso com o tempo todo ser masculino percebe isso, quando ele é o agente atuante, tudo fica mais difícil, mas quando ela é a que demanda a capacidade de querer uma noite a mais e um ronco de prazer, fica mais leve.
O certo é que sumir é não ter que expor ninguém, simplesmente não se quer um envolvimento maior, e o que a mulher queria saber é onde foi que não rolou, porque não vai dar para experimentar mais, acaba ficando perigoso. O Homem não engata a relação porque quer mais, só isso, está apostando em um sentimento maior, com alguém que atenda mais os seus interesses pessoais, pode ser de beleza, de afinidades pessoais e sexuais, tudo pode acontecer. Isso de apenas querer uma transa, ou um corpo bem delineado e com capacidade de tesão é o significado de se levantar e ir embora, sem tomar banho.
Muitos Homens apenas fogem porque se apegam ao imaginário de perguntas que acabaram por deixá-lo com aquele pensamento de não ter passado ao próximo passo porque iria dar confusão, a grande verdade é que o Homem gostaria de se relacionar sem manter vínculos quando esses não forem suficientemente claros, mesmo que tenha parecido que sim. Meu conselho, não evolua se você acha que ela quer você para sempre, não irá fazer com que as partículas cósmicas do universo se unam em relação ao que você espera que possa acontecer para que ela encontre também uma pessoa que mostre a sua importância.

Depois daquela montanha

Eu precisava ir no cinema, mas não poderia ser qualquer filme, precisa ser ou um filme de terror como a Noiva ou um filme com a Kate Winslet, que depois de Refém da Paixão, entrou no meu imaginário, Idris Elba é apenas um coadjuvante bem intencionado em Depois Daquela Montanha, que é um filme pueril, ali mostra que quando você se apaixona verdadeiramente, tudo pode acontecer, e que nada mais será como antes e que tudo aquilo que você tinha dúvidas acabam se transformando em certezas, o sexo não é tudo nesse contexto, ele apenas encaminha que você se certifique, tenha a certeza que aquilo era o que você realmente procurava. Se envolver, se apaixonar e se conquistar quem se deseja realmente é o fim, a concretização do seu interesse, agora continuar envolvido e desejando, dia após dia sim, esse é o verdadeiro amor. O filme não mostra isso assim, mas nos leva a crer que os olhos acabam percebendo o quanto a gente gostaria que fosse assim.

"Não tenho vergonha de ter sido homem", diz economista americana que mudou de sexo

Deirdre McCloskey, que já foi Donald, esteve em Porto Alegre para a conferência de segunda-feira (6) do Fronteiras do Pensamento



"Onde quer que aterrisse em suas andanças pelo mundo, a americana Deirdre McCloskey provoca, além dos debates sobre economia e história que fundamentam sua sólida carreira acadêmica, uma discussão paralela. O motivo: Deirdre, conferencista do Fronteiras do Pensamento na última segunda-feira, já foi Donald, homem casado por três décadas e pai de dois filhos que resolveu assumir, aos 52 anos, sua identidade feminina, submetendo-se a uma cirurgia de redesignação sexual e terapia hormonal."

Nelsonpoa: É um sentimento dúbio, como seria possível? Provavelmente porque a mulher dele devia ser muito boa de cama quando eram jovens, certamente ele não sentia a necessidade de se descobrir de outra maneira. Na verdade, todos tem uma fase que enjoam de tudo e de todas, por vários motivos e se procuram outra formas de prazer e de poder, quando se perde o brilho sobre aquilo que se tem. É a capacidade do negativo entrar para dentro do cérebro, através de imagens, despertando o que existe de pior dentro de você, mas mesmo assim, você tem a capacidade de lidar com o seu melhor, transformando no pior que os outros passam numa situação um pouco melhor, como forma de diminuir o impacto que essas pessoas excluídas acabam tendo que se mostrar durante um espaço de tempo considerável. Tudo em troca de prazer e de uma possibilidade de se conhecer melhor, é um turbilhão de hormônios, misturados a pensamentos e desbravamento de ideias que não parecem claras até que tudo acabe com o que você tem de melhor, porque tudo tem um preço, essa é a grande verdade. Eu poderia escrever horas e horas sobre isso e transformar o que já vi e vivi como forma apenas de literatura do auto-conhecimento e auto-ajuda, mas de pouco ou nada serviria se você não tivesse a sua capacidade de entendimento e compreensão ajustada a que isso é apenas ou somente uma forma de transpor a linha do imaginário, sem poder expor a vida real sem acabar por enterrar um passado que irá lhe transformar em aberração. Se você não interpretar os seus sentimentos e as suas alienações, jamais fará a descoberta sobre si mesmo e sobre os outros.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Marchezan diz que "parlamentar é cagão" em congresso do MBL e irrita vereadores

No evento em São Paulo, o prefeito ainda sugeriu que líderes da esquerda gaúcha são "erva daninha" e reprovou o desempenho dos professores municipais.


Nelsonpoa: Porto Alegre acabou por assistir nos últimos tempos, um completo circo que o prefeito recém eleito anda fazendo, deve ter se arrependido amargamente por não ter depositado suas fichas todas no feirante, que até hoje deve ter com ele as mãos calejadas de bater caixa na Ceasa, realmente Melo seria uma alternativa mais modesta, provavelmente a aprovação do continuísmo, então preferiu apostar no novo, numa hora que Porto nem estava tão ruim, tinha problema com a segurança, e estava instável, o povo queria apostar em alguém que fizesse a diferença, mas até agora, o que podemos constatar, foi uma verdadeira lição de radicalismos e desentendimentos com todos os seus parceiros e choque com as ideias que não conseguem evoluir porque ele é um péssimo ouvinte e não sabe entender que o partido que ele está é ruim, sempre foi, é do toma lá da cá, e sem ser um completo barganhador para conseguir alguma coisa, deve primeiro vender a mão direita, depois a esquerda e depois o resto, para poder se manter em condições de estabilidade. 
Não há de se desconfiar que a "erva daninha" seja outra, e o que ele quer fazer na marra é a velha política de manda quem pode obedece quem precisa, quer retirar direitos que estão incorporados há anos na carreira do servidor, ele poderia então, não contratar mais, nem menos, se o problema é o servidor, não contrate mais, nem os CC´s, e espere seu mandato passar, tente a reeleição para poder ficar mais tempo sem contratar e ver a enxurrada de aposentadorias que se acumulam no seu governo com essas tentativas de mexer na carreira do servidor, o que acaba onerando ainda mais a prefeitura, que vai deixar o funcionário que trabalha em casa, recebendo e não poder contratar mais ninguém para o seu lugar, pois tudo é prejuízo em relação ao funcionário. 
O projeto neo-liberal sempre acaba levando a coisa por esse lado, de se livrar do problema em vez de enfrentá-lo com astúcia, com projetos, ideias e novos modelos e encontrar novas fontes de receita e outras opções de resultado.
Gostaria de ouvir o debates calorosos sobre novas formas de receita, da prefeitura como agente criador de fomentos e novas oportunidades de arrecadação, de gerar empregos com sub prefeituras, com a saúde se expandindo, de regularizar os débitos em troca de serviços na comunidade, criação de projetos audaciosos e de negociações com parceiros que estão com seus débitos em atraso, de forma a transformar em serviços aquilo se deve, de novas formas de poder, de poder fazer, não de poder sacrificar as pessoas e o comércio com intervenções nas contas dos funcionários que deixaram de pagar seus consignados e suas contas, atrasando Porto Alegre, 40 anos em 4. Precisamos é de uma caixa de explosão, de oportunidade para que esse prefeito decole das suas ideias para botar finalmente os pés dentro da prefeitura e comece a governar.

A NEGOCIAÇÃO

O grande problema que aconteceu, foi que o outro irmão resolveu se atravessar na negociação que estava acontecendo, isso me cheirava apenas uma coisa, que a mulher dele se meteu e acabou que aquilo estava indo bem, poderia ficar pior. Ele apenas teve a ideia de colocar um atravessador na historia, eu não caí na conversa e já dei uma sapatada imediata na tal advogada, que acabou, depois de eu dizer aonde ela ia se meter, inviabilizando o processo, colocou seu preço lá em cima. Mas isso foi muito ruim, porque os dois pegaram a proposta dela e jogaram para o outro, uma total falta de capacidade de negociação, é como dizer, eu não sei!
O que aconteceu com isso foi que com essa nova proposta, se esqueceu os moldes da proposta anterior, que retirava do modelo uma alternativa que nem era nossa, acabou se fazendo uma proposta completamente absurda envolvendo o restante da outra sucessão com coisas que nem tinha nada a ver com o que acontecia atualmente. A verdade é que foi uma verdadeira salada de fruta, aprovada por quem não sabe olhar para a sua calculadora, faz doações com o chapéu dos outros.
O problema é reverter o que já está com dado como certo, tenta se forçar a barra, não dá, não tem chance, pode-se então chegar a que tipo de acordo, quando as partes não tem capacidade de saber o que está em jogo?

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

TV digital: veja passo a passo para instalar a antena e o conversor

1º passo: instalação da antena
Você precisará de uma antena UHF, como aquelas conhecidas como "espinha de peixe", que irá receber o sinal digital. Ela deve ficar no ponto externo mais alto da casa ou do prédio (não no forro nem ao lado do aparelho) e sempre ser instalada na horizontal e com as "espinhas" apontando para as laterais (e não de cima e para baixo). Para instalar, é preciso afixar os parafusos em uma estrutura sólida (mastro) e então apontar a outra extremidade para a estação transmissora digital (em Porto Alegre, é o Morro da Polícia).
2º passo: colocação do cabo
Após instalar a antena, encaixe o cabo “coaxial” de transmissão na antena, rosqueando até o fim. Ele levará o sinal da antena até o conversor digital ou até a TV (caso já tenha o conversor instalado). Esse cabo pode ser montado em casa, com ferramentas adequadas, ou comprado em ferragens. Tenha cuidado para não danificar o cabo e apertar bem a ponta metálica com a estrutura flexível, para evitar mau contato. 
3º passo: conexão do cabo ao conversor ou à TV
Nesta etapa, leva-se o cabo da antena até o ponto onde está a TV. Quem tem uma TV das mais novas (fabricada a partir de 2012), com o conversor já integrado, poderá conectar o cabo diretamente no aparelho (nesse caso, você pode pular direto para o 5º passo). Quem tem uma TV mais antiga, terá de conectar o cabo em um conversor digital antes de acoplá-lo na televisão. 
4º passo: conectar o conversor na TV
Será o momento de efetivamente levar o sinal Digital até seu aparelho de TV, identificando os novos canais. Ligue o conversor digital à sua TV, conectando os três cabos coloridos (RCA) de áudio e vídeo conforme as cores. A entrada costuma ficar na parte de trás ou na lateral da TV. 
5º passo: sintonizar os canais
Essa etapa vale tanto para quem tem TV nova (com conversor integrado ou embutido) quanto antiga (que conectou o conversou separadamente). Será o momento de ativar a recepção do sinal digital e identificar os novos canais. Para quem tem o conversor integrado à TV, basta usar o controle remoto da TV e buscar automaticamente os canais. Quem instalou o conversor separadamente, usará o controle remoto do conversor para fazer as buscas dos canais. Se os canais não foram encontrados na primeira tentativa, será preciso reposicionar a antena do telhado para encontrar a melhor posição e então tentar sincronizar novamente.  
Pronto! Agora é só assistir seus programas favoritos com muito mais qualidade de som e imagem.
Nelsonpoa: Minha Tv de tubo funciona muito bem. Isso me cheira a golpe do extintor de incêndio.


Que tesão! É doença ou vício ter vontade de transar todo dia?

O sexo é a mola propulsora de um relacionamento. Muitas casais permanecem juntos porque o sexo é de qualidade e que ambos ficam em êxtase quando isso acontece, sempre esperando chegar a hora para aproveitar o máximo esse momento a dois. O que as pessoas não entendem é que o desejo entre as pessoas são diferentes e, por causa disso, só se tiver uma afinidade muito boa para se manter unido a uma pessoa por muito tempo. Além disso, existe uma questão que envolve os casais afoitos pelo sexo, o ciúme que pode acabar com tranquilidade de cada um dos envolvidos, sem equilíbrio constante isso não vinga. Eu acho que tudo depende de um grande grau de maturidade para saber lidar com essas questões todas que agitam o comportamento sexual ao mesmo tempo. O ideal é esperar até encontrar a pessoa que tenha o mesmo ritmo que você, tenha os mesmos gostos e procure as mesmas emoções, porque se não foi assim, o álccol, o ciúme, o desejo, são elementos que são estranhos ao convívio de certa forma harmônico entre o casal.

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Autor de "O Outro Lado do Paraíso" desiste de matar personagem de Laura Cardoso após sucesso com o público

Depois daquele encontro histórico entre Fernanda Montenegro e Laura Cardoso, não seria possível mais qualquer tipo de fragelo com qualquer das personagens, até o Lima Duarte acabou por afrouxar as rédeas dos seus personagens que sempre foram carismáticos. Ator é bom em qualquer época, eles tem a capacidade de rechar as cenas que somente os jovens são obrigados a fazer pela conotação sexual das suas cenas. Cabe sempre ao autor preparar um papel que transcenda aquilo que eles sabem fazer de melhor, interpretar com a sua alma.

É possível que, em breve, Arthur responda a todas as dúvidas de Messi

Tem que fazer uma faxina é la no Beira, devem ficar o Dale de diretor de futebol e o técnico, o goleiro vai ser emprestado para um time que jogue a Libertadores, como reserva.
Agora o Arthur é quase um Batista, com uma diferença, o Batista fazia gols, coisa que o Arthur nem passa perto, logo, ainda precisa evoluir até sair como um craque. Aliás, craque é o Luan que trouxe o ouro Olímpico para o Brasil e o Penta para o Grêmio, faz cada golaço que deixa os clubes da Europa pensando na ofuscação dos seus craques, até quando faz gol simples é que veio de uma grande jogada, lá na Europa, só o CR7 que se assemelha porque cansou de fazer gols, quer agora o preciosismo. Luan é o único jogador em atividade que joga em diagonal com a bola no pé, só o Nilmar tinha essa característica, mas fez apenas um golaço e nunca mais se arriscou jogar assim porque é centro avante, ia tomar muito pau nas canelas, não sabe apanhar sem se machucar.

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Médium Divaldo Franco: "Apesar do avanço tecnológico, o homem moderno não encontrou a paz"

Por MARCEL HARTMANN  CLIC RBS

"Noventa anos, dos quais 50 dedicados ao espiritismo, mais de 250 livros publicados e 70 países visitados para participar de palestras e conferências. Discípulo de Chico Xavier, o médium baiano Divaldo Pereira Franco é considerado a principal liderança espírita da atualidade. Reconhecido pelo trabalho com jovens carentes - já adotou 689 crianças e fundou, em 1952, a Mansão do Caminho, espaço de 83 mil m² em Salvador que já acolheu 35 mil jovens em situação de vulnerabilidade - ele é tomado por muitos como uma celebridade religiosa. Mesmo com a fama, demonstra humildade por onde passa e diz que só prega uma coisa: amor e tolerância. "
"Em visita a Porto Alegre no último fim de semana para participar do 9º Congresso Espírita do Rio Grande do Sul, na PUCRS, onde devotos formaram fila e choraram de emoção, Divaldo conversou com o GaúchaZH sobre espiritualidade, felicidade e crise de valores. — Apesar do avanço tecnológico, o homem moderno não encontrou a paz que procurava. Ao possuir coisas, defrontou-se com o vazio interior. Esse vazio somente é preenchido, como diria Platão, através do autoconhecimento. No momento em que nos identificamos, sabemos qual é a finalidade da vida — refletiu."
Confira os principais trechos da entrevista:
O Brasil vive hoje um momento difícil. Há uma crise político-econômica, a violência aumenta e enfrentamos momentos de intolerância. Que leitura o senhor faz desse cenário?
Toda a vez em que a civilização atinge um ápice de progresso, há uma curva de afirmação de valores. E naturalmente, uma decadência. (Isso ocorre) Desde a antiga Babilônia até a Europa moderna, que atingiu um alto nível na civilização e, no entanto, não pode evitar duas guerras. É um fenômeno natural e histórico no processo da evolução. Apesar disso, nunca houve na humanidade tanto amor, tanta bondade e tanto sacrifício. A crise nos afeta muito. Mas é necessário descobrir os valores que estão ocultos e que os exaltemos. A crise é uma preparação de mudança - de natureza social ou tecnológica. É para a adaptação. 
Como sair dessa crise e redescobrir nossos valores?
Quando cada um de nós realizar uma mudança de valores. Em vez de nos preocuparmos tanto com os valores externos, com a posição social ou em atingir topo, (deveríamos) nos preocupar com a harmonia interna. Com essa modificação, haverá um contágio de sentimentos. 
O senhor já fez milhares de conferências em quase 70 países. Quais os anseios e dificuldades que o senhor nota em comum em pessoas de diferentes lugares?
O grande desafio da criatura humana é a própria criatura humana. O indivíduo muda somente de nome e de endereço. Os conflitos psicológicos, as ânsias e as necessidades emocionais são as mesmas, porque falta às pessoas aquele conhecimento profundo de si para dar à sua vida um objetivo e uma natureza existenciais. Apesar das conquistas tecnológicas, o homem moderno não encontrou aquela paz que procurava. Ao possuir coisas, defrontou-se com o vazio interior. Esse vazio somente é preenchido, como diria Platão, através da observação daquela proposta de Sócrates: o autoconhecimento. No momento em que nos identificamos, sabemos qual é a finalidade da vida. 

O que negamos aos necessitados, eles vêm tomar pela força. É a lei do universo. Faltando a cooperação, surge a violência.

DIVALDO FRANCO

Médium
O senhor é conhecido por dedicar a vida a crianças em situação de vulnerabilidade social. Qual é o maior prejuízo para uma criança furtada de condições dignas de alimentação, educação, higiene, afeto e cuidado?
Surgem as patologias sociológicas do abandono. A sociedade passa a ser detestada. E a criança que não recebeu vai cobrar. Torna-se um vândalo e invariavelmente, sai marginalizado e vai para os departamentos do crime e da droga. Nesses momentos, ele se torna um indivíduo pernicioso à comunidade. Somos responsáveis pela violência. O que negamos aos necessitados, eles vêm tomar pela força. É a lei do universo. Faltando a cooperação, surge a violência. 
Como resgatá-los?
Dando-lhes oportunidade. Amando-os. Fazendo com que despertem para a vida. Com esse sentimento, eles se tornam elementos úteis da sociedade e passam a ser membros de um novo corpo - o corpo da era nova. 
O senhor adotou muitas crianças. É um pai para muitos...
Compreendi que não bastava dar comida, roupa e escola. Era necessário dar segurança e carinho. Todos nós somos carentes. Aquele que foi rejeitado ou que padeceu em função da orfandade tem sede de amor muito grande. E como eu tinha sede de amor também, procurei dar-me. Dar qualquer um faz, mas para dar-se é necessário renunciar ao ego para tornar feliz o outro. 
O senhor recebeu o título de embaixador da paz no mundo em 2005 por uma universidade de Genebra, na Suíça. De lá para cá, o que mudou?
A sociedade passou a perceber muito os valores da vida. A ecologia desenvolveu valores adormecidos. O sentimento de amor ampliou-se muito, particularmente aos animais. Não só evitando a exterminação em massa de vidas que caminhavam para o extermínio, mas também o acompanhamento deles para a solidão. Mudaram os sentimentos, que antes eram ególatras e voltados para dentro. Ao amarmos o animal, facilmente iremos amar a criatura humana. 
O senhor dedicou a vida ao espiritismo. Que mensagem o senhor traz da sua caminhada e do espiritismo, até para que não é espírita ou não tem religião?
Que vale a pena amar. O amor desabrocha através do respeito pela vida e se consolida pela amizade. Posteriormente, pela aglutinação de sentimentos. Através desses sentimentos, tornamos o mundo melhor e o ser humano se torna parte do universo. Ele (o ser humano) o é (é parte do universo), mas não sabe. É como no caso do holograma: cada pedaço tem o todo e o todo tem os pedaços. Nós carregamos o mundo dentro de nós. Quando nos dermos conta de que somos cédulas utilíssimas dessa realidade universal, mudaremos interiormente e voltaremos, com sentimento de amor, em alta escala de progresso. E a vida será melhor.  
O senhor já declarou que é melhor não ter religião e ser digno do que ter religião e não ter dignidade. Por quê?
Muitas vezes a religião é um rótulo. É como um produto que está designado por um nome mas, por dentro, tem outro significado. A função da religião é apresentar a pedagogia da boa conduta. Por isso, toda religião que não leva ao fanatismo é boa. Mas, invariavelmente, o indivíduo tem a religião como ato social e não se impregna de todos os postulados. Ou em outras vezes, não tem religião e tem sentimento de nobreza. Se olharmos os grandes construtores da sociedade, veremos que não eram religiosos. Sua religião era a prática do bem, o desejo de fomentar o progresso e de promover o indivíduo ao status de cidadania. 
Em 2014, o senhor publicou o livro "Seja Feliz Hoje". Como ser feliz hoje?
Ao realizar o estado de paz interior. Confundimos a felicidade com o prazer. O prazer é fugidio, resultado da vida sensorial. A felicidade é o aprofundamento de valores. Podemos ser felizes na doença, na pobreza, na situação deplorável. Mas logo vem a ânsia do prazer. A verdadeira felicidade é dar-se para que a vida seja útil. Quando ela se torna útil a alguém, torna também ao indivíduo. É a proposta de Jesus Cristo: ele veio para servir, e não se serviu de nós para evoluir. A lição dele está no espiritismo, que nos oferece, na caridade, o meio de exaltação do self. Buscamos sempre o prazer e esquecemos da felicidade. Muitas vezes temos as respostas físicas, mas não temos a paz interior para a plenitude. 
Há quem diga que hoje existe uma obsessão pela felicidade e que é por isso que as pessoas se frustram. Como o senhor avalia isso? 
A felicidade é pelo ter. Corremos atrás de coisas e esquecemos dos valores individuais. Muitas vezes renuncio a determinado prazer para encontrar a paz. Somente quando nos preenchemos de valores éticos é que as coisas perdem o significado. Elas têm o valor que nós atribuímos. No momento em que a dor nos surpreende, esses valores desaparecem. Mas quando temos certeza de que a dor é um apelo do universo para que nos tornemos melhores, a felicidade aparece. 
A felicidade envolve renúncia?
Sim. Sem a renúncia, não há felicidade. A renúncia é prova de amor, não exigir que o outro seja como nós queremos, mas ser feliz com aquilo que o indivíduo tiver. 
Qual a sua mensagem para os espíritas e para quem não é também?
Que procure tudo para fazer o bem do outro. Quando mudamos, o mundo se transforma. Esperamos que os valores venham das autoridades governamentais. Mas eles são cidadãos. Se foram felizes, serão excelentes autoridades. Mas se tiverem caráter dúbio, acostumados ao suborno das paixões, eles mudam somente de postura e pioram aquelas tendências. Vale a pena amar, mas no sentido de tornar o outro feliz. Quando tornamos o outro feliz, ficamos felizes. 
A mudança é difícil?

Não. É questão de adaptação. Vivemos um mundo de hábitos. Se algo me apraz, eu repito. Se me desagrado, cancelo. Se coloco uma meta produtiva que me planifica, eu me adapto e isso se torna uma realidade.


Nelsonpoa: Uma coisa eu tenho que concordar, a frase: "Mas quando temos certeza de que a dor é um apelo do universo para que nos tornemos melhores, a felicidade aparece.", isso precisaria ser absorvido na essência, mas não conseguimos nos dar conta das coisas da forma como ele se coloca em relação a isso. 
Para entendermos o significado de "Quando tornamos o outro feliz, ficamos felizes", o nosso estágio de evolução já estará acima da nossa aura, que encontra o melhor da nossa pessoa. De que gostamos de ver as pessoas se darem bem, principalmente se temos uma possibilidade mínima de contribuir para isso, esse sentimento sim é indescritível.